segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Entrevista com Marlene Leme da Silva - Autora de: LAMAÇAL

Nascida em Guapiara,interior do estado de São Paulo,Marlene é filha de agricultores.
Conviveu com pessoas humildes,cercada pela natureza que a inspirou.
Mudou-se para São Paulo aos 19 anos quando ingressou na área da saúde,em berçário e pediatria desde então.
Acredita que no universo da criança,povoado de imaginação,os contos de fadas,reforçam a criatividade e a magia dos sonhos infantis.


Este livro retrata o universo infantil através da poesia, contando a passagem de uma fada pela floresta, transformando o monocromático e melancólico lamaçal num reino mágico, onde as cores e a magia são reveladas na exuberância da flora e fauna ilustrada em cada página.

Olá Marlene. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O livro retrata o universo infantil através da poesia, contando a passagem de uma fada pela floresta, transformando o monocromático e melancólico lamaçal em um reino mágico, onde as cores e a magia são reveladas na exuberância da flora e fauna ilustrada em cada página.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Sou da área da saúde, com habilidades em berçário e pediatria. Nasci em Guapiara interior do Estado de São Paulo. Filha de agricultores, convivi com pessoas humildes e com a natureza que me inspirou. Escrever livros é como plantar árvores. Plantar árvores é criar uma benfeitoria para muitas gerações. É plantar sombra, flor, frutos, remédio cortiça e muitas outras coisas. No mundo da escrita eu quero ser amiga do livro, assim como o serelepe é amigo do reflorestamento ele come frutos e lança ao chão as sementes provocando, assim, o aparecimento de muitas plantas novas.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
A realizações dos sonhos depende da maneira como vemos ou construímos uma ponte para atravessar o lamaçal do medo, o qual nos impede de sonhar e chegar às nossas realizações.
É fundamental os professores sejam a ponte entre os alunos e os livros.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Decidi chegar até aqui depois que li um livro que foi editado pela Scortecci Editora.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
A leitura tem como objetivo promover a capacidade reflexiva e crítica. Dando-nos a oportunidade de decidir se atravessamos o lamaçal ou ficamos e mudamos tudo ao seu redor.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Entrevista com Jaime Collier Coeli - Autor de: IGNORA(BI)MUS

Jaime Collier Coeli
Nasceu em 1938, em Campinas, SP. Exerceu o jornalismo em São Paulo, Brasilia, Goiânia e Rio de Janeiro. Publicou Blindagem de Miosótis (contos - 1977), Ei, amor, você também ama a realidade, não ama? (romance - 1983), Síndrome de Anil (romance - 1999), Filosofia sem medo (ensaio - 2000), A saga de Nimuendaju (rapsódia - 2005) e Banal-idade (contos, 2014).

O autor classificou este livro como uma dança de etiqueta com a morte, uma arte com raízes na Idade Média que, na língua portuguesa, culminou num auto de Gil Vicente e, mais recentemente, nos Estados Unidos, num livro muito famoso de Kurt Vonnegut, Matadouro 5. O bailado em questão tem origem em 1572, documentado pelo astrônomo Tyco Brahé, que descreveu o pavoroso suceder de uma super nova. Prossegue na narração que Machado de Assis faz do fim de Humanitas, no romance Quincas Borba. Apagadas as luzes, surgem farelos do sistema de sombras grotescas e trágicas, indicadas por Guimarães Rosa in um moço muito branco, em 1962. Todos englobados na mesma dança macabra na qual somente o astronauta imagina a imortalidade, conquistada parsec por parsec, mas sem obter informação. Livro impressionante e eficiente sobre a sobrevivência humana no cosmo, ornamentada com exemplar único de metempsicose filosóficas canina.

Olá Jaime. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Simples entretenimento, artesanato semelhante a tricô ou crochê, em que o entrelaçamento de um fio concretiza trançado lembrando malha rendada, o livro partilha o evento resultante com outros tecelões de fios ou palavras, mas perde significado quando menospreza seu primitivo sentido lúdico. Contraponto da existência social, antípoda da militância profissional, revela-se artefato talvez destinado a hipotético a quem interessar possa.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Tal qual o viver, o livro é único, com muitas partes e versões, desafio ao conceito de totalidade e, portanto, de qualquer projeto, ou seja, de um destino. Tal filho ou árvore plantada, inunda o momento com a ilusão de estimativa de ato criador sempre contrariado pela falta de evidência de sua existência.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
O escritor é homem sem profissão que tem de trabalhar para sobreviver. Uma contradição em termos.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Rumores aqui e ali.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Merecimento no igualitarismo é possível? Se impossível então devo desconsiderar qualquer ilusão de justiça, direitos, recompensas ou compensações e dessa maneira passo a entender que o livro seja sustentado a leite de pato.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Entrevista com a autora Eliana Di Donato Carosini - Autora de: DOCA ESTÁ CRESCENDO

Nascida em São Paulo – Capital, onde mora até hoje, casada e mãe de três filhos, lança seu oitavo livro Doca Está CrescendoCulpa foi seu primeiro romance, lançado em 2010. Na sequência Marolinhas do Pensamento e Árvore da Minha Vida, dois livros de crônicas e pensamentos. Depois, na linha de livros infantis, publicou: Como a Vida Acontece e Doca.Criando amor pela escrita, depois lançou mais um romance Erva Daninha. Permitindo mostrar seus devaneios lançou ainda o livro Piccolo Mondo, na certeza de que um sonho pode sim, tornar-se realidade.

Doca Está Crescendo
Com abordagem divertida, o livro começa com a família entrando em férias sem sair de férias. Isso mesmo, o pai não pode sair de férias, então Doca tem que achar uma forma de se divertir com seu cachorro e seu irmão mais novo. Mas para ele a ideia não é boa... o irmão mais velho não brinca mais com o cachorro e o irmão pequeno, não tem graça e deseja descobrir novos amigos para brincar.

Como os pais vão administrar essa crise? O Livro valoriza a relação entre irmãos e novos amigos.


Olá Eliana. É um prazer contar, novamente, com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Doca Está Crescendo é um livro infantil que traz consigo uma mensagem que pode ser eternizada.
A mensagem que nele contém deveria ser aplicada não só para as crianças assim como para jovens e adultos também.
A mensagem que ele traz é simples: apenas o que você não gostaria que fizessem para você, você também não deve fazer a ninguém.
Se as pessoas agissem desse modo o mundo seria bem mais humano, pois ninguém quer o seu próprio mal.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Meu nome é Eliana Di Donato Carosini, nascida em São Paulo – Capital, onde moro até hoje, casada e mãe de três filhos. Estou lançando meu oitavo livro Doca Está Crescendo.
Culpa foi meu primeiro romance, lançado em 2010. Na sequência Marolinhas do Pensamento e Árvore da Minha Vida, dois livros de crônicas e pensamentos.
Depois, na linha de livros infantis, publiquei: Como a Vida Acontece e Doca.
Criando amor pela escrita, lancei mais um romance Erva Daninha.
Permitindo mostrar meus devaneios lancei ainda o livro Piccolo Mondo, na certeza de que um sonho pode sim, tornar-se realidade.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
    
Infelizmente os escritores brasileiros, no geral, não contam com um grande valor no seu próprio país. Muitos escritores que conseguem editar um livro. A intenção é sempre acrescentar algo bom que existe no seu imaginário.
Fazem a tarde de autógrafo na certeza de que assim que acabar o evento, seus livros serão colocados numa prateleira bem pouco à vista do seu público alvo.
Não creio em poucos leitores e sim no pouco interesse na divulgação de um autor ainda novato.
Se os seus livros estivessem expostos, assim como os dos autores estrangeiros, talvez conseguissem ser lidos por um maior número de leitores.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
    
Fazia minhas escritas desde muito menina, mas nunca tive intenção de editar nenhuma dessas ideias. Foi quando abri meu computador e havia uma propaganda da Editora Scortecci.
Para mim foi um achado, comecei a seguir os passos indicados pelo site da editora e, só por curiosidade, mandei meus escritos. Eles retornaram dando apoio à edição e foi assim que tudo começou e não parei até hoje.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Como já disse na resposta anterior, este é um livro que merece ser lido para crianças, na certeza de que a mensagem nele contida é para ser levada por toda vida.
Gostoso e de simples narrativa a própria pessoa que fizer a leitura para uma criança também estará aprendendo com ele.
Sem contar que, além da mensagem, a criança vai se divertir com o livro, pois as figuras poderão coloridas pelos mesmos.

Obrigado pela sua participação.



Leia Mais ►

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Entrevista com Claudileide Cazavechia Kremer - Autora de: A HISTÓRIA DA ETNIA DA TRIBO XERENTE NO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE DO NORTE - MT

Claudileide Cazavechia Kremer
Conhecida Leyde, nasceu em Manoel Ribas – PR, em 12 de fevereiro de 1975. Quando tinha nove meses de idade meus pais se mudaram para Ji-Paraná – RO, cidade em que viveu até os 20 anos. Morou em Rio Branco–(AC), Juina, Vila Rica-(MT). Atualmente esta na Cidade Magnifica que é Confresa-(MT), onde reside desde 2010. 
Estudou em Escolas Municipais e Estadual em Ji-Paraná-RO, onde que concluiu o ensino fundamental e Médio. Em 2005, mudou-se para a Cidade de Vila Rica, nesse mesmo ano casou-se com Vilson Jaco Kremer, fez dois vestibulares (passou em ambos) e iniciou a Graduação em Licenciatura Plena na Educação Infantil pela UNEMAT. No ano seguinte seu segundo Curso de Graduação em Bacharel no Serviço Social (Bacharelado). No período que passou estudando,teve dois lindos filhos Jorge Cazavechia Kremer hoje com 11 anos e Maria Clara Cazavechia Kremer com 8 anos. Em 2010 iniciou pós-graduação em Psicopedagogia Educacional e Gestão Pública no Serviço Social:Em 2015 dedicou-se a todo o vapor o Sonho “Mestrado em Educação e atualmente o curso de Graduação em Psicologia (Bacharelado) no Colégio Universal e Seus Parceiros. Leyde é empresaria e Professora com muito orgulho.

Trata-se de uma pesquisa que realizou-se com base de uma reflexão sobre a história de vida e cultura onde que a crença ensinada são repassadas de pais para filhos. Este Livro fala de História de Vida desta etnia, Crença, Espiritualidade, Cura através das plantas, atendimentos. Neste livro também relata sobre a identidade dos mesmos, cotidiano, âmbito social e escolar.




Olá Claudileide. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Este livro surgiu logo que me matriculei me no Curso de Mestrado em Educação, a ideia veio por ser muito amiga desta etnia, e vontade que o mundo conhecesse a cultura do Cacique e pajé Justino Xerente, como é conhecido em nossa região.
Recomendo para todas as idades e principalmente para as escolas, que precisamos ter mais conhecimentos sobre as culturas indígenas.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Desde de criança sonhei em escrever romance....
E nesse curso de Mestrado veio o sonho de escrever algo que um dia pudesse ser publicado.
Foi aonde que fui visitar o meu amigo e pai do coração o Cacique e Pajé Justino e pedi se me autorizava a escrever sobre a vida do pai dele e sobre a vida dele. e o mesmo me autorizou.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
E muito difícil... Mas precisamos ser confiante e perseverante naquilo que acreditamos. e começar a incentivar as leituras nas escolas.
Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Pesquisas na internet.
Uma noite, eu tive um sonho que me mostrava a palavra Editora e aparecia a letra S. Comecei a pesquisar na internet e foi quando apareceu Editora Scortecci... Comecei a ler tudo e encontrei formulário. Preenchi e foi quando obtive todos os contatos.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Sim...
Por ser de uma etnia que vive a vida através do seu suor.
Meus amigos leitores vocês vão amar em conhecer a história desta etnia.....

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

sábado, 6 de janeiro de 2018

Entrevista com João Gonçalves Tarumirim - Autor de: O COELHO DO DENTE AZUL

Nome literário de João Gonçalves da Consolação.
Nasceu em Tarumirim (MG), onde viveu a infância na fazenda da avó Philipa Neves, passou a juventude em Belo Horizonte (MG) e há 25 anos mora em Jacareí (SP), cidade que adotou para morar. Contador de causos e histórias, criou o Projeto Colcha de Retalhos e Cabana de História, criado para incentivar a leitura e resgatar a contação de histórias, além do sarau de músicas, poesias e histórias. Como ator e palhaço, criou o Projeto Doutores Coloridos, realizando visitas a hospitais e asilos de Jacareí e região como Doutor Tim Tim. Já no seu terceiro livro, escreve o que vem da alma na inquietude do olhar do palhaço.

Uma história de um assunto muito atual, o bullyng, e como podemos conviver com as diferenças.






Olá João. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O livro trata-se de um assunto polêmico e atual BULLYNG, sou palhaço de hospital e após as nossas visitas uma avó me mandou um e-mail pedindo ajuda: o seu neto estava sofrendo bullyng na escola, ele tinha os dentes grandes.
O neto não queria ir na escola e isolado de todos, seus amigos o chamava de dente de coelho e tantos outros.
Através da ajuda da escola conseguimos que ele voltasse a vida normal, eu prometi a avó que escreveria um livro sobre esse assunto.
O público alvo seria as crianças em fase de leitura e por ser um livro para ler e colorir, mas principalmente as crianças visitadas pelos palhaços do projeto DOUTORES COLORIDOS, levando esse livro gratuitamente.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Sou ator, palhaço e contador de histórias, e amo a leitura todos os meus projetos estão relacionados a cultura e as crianças,
Meu primeiro foi O BURRINHO DO RABO AZUL, o segundo PALHAÇO risos e lágrimas e agora esse que é o novo filho a ser cuidado.
Mais um sonho realizado, mas como sou um bom sonhador inquieto continuo sonhado na cabana de histórias.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Acredito em Brasil melhor, se compararmos estamos bem atrasados em termos de livrarias, mas como sou um gestor social inquieto, temos que buscar alternativas e não só criticar, mas fazer e fazer com amor e bem feito.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Através de um amigo escritor PLÍNIO, gostei muito e não pretendo trocar, fui muito bem atendido pelos funcionários e indicarei para meus amigos.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
E um livro que seu filho deve ler e aprender a respeitar as diferenças, um assunto para debates nas famílias e nas escolas.
Agradeço aos milhares de leitores e que DEUS abençoe e continue lendo e ensinando seu filhos o abito da leitura.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Entrevista com Jorge Barbosa - Autor de: LINHAS E ENTRELINHAS

Nome literário de Jorge Luís dos Santos Barbosa 
Nasceu no bairro Carvão em Barra do Piraí (RJ), no dia 10 de abril de 1961. Escreve poesias desde 1983, quando fazia parte da Pastoral da Juventude. Formado em Engenharia Civil, hoje é servidor público federal e professor de xadrez no Clube de Xadrez Barra do Piraí. Membro da Academia de Artes, Ciências e Letras do Brasil – ACILBRAS. Membro da Academia de Letras  do  Brasil,  Manaus (AM).

Biografia Literária:
Participação em vários concursos de poesia via internet.
Concurso de Poesia (in) tolerância em Albergaria-a-velha, Portugal.
1º concurso de Poesia da SAMA (Saneamento Básico do Município de Mauá) em 2010. “Dia Mundial da água”.
XXI Concurso Nacional de Poesia da Academia de Letras e Artes de Paranapuã - SP, em 2010.
Livro Sol, Mar e Chuva do XXXI Concurso Internacional Literário de 2010
Concurso Cultural Brasil Casual – Aracaju - SE em 2012.

Participação em 3 livros em sistema de cooperativa: 
Antologia Poética de Cidades Brasileiras (1986). 
Antologia Poética de Cidades Brasileiras (1987) da Shogun Editora e Arte Ltda.
Escritores Brasileiros (1988) da Crisalis Editora. 

Livro de PoesiasSonhos De Um Poeta (2009) Editora Scortecci; Uni Versos (2015)  Editora Scortecci; Racionalizando (2011)  Editora Scortecci.
Antologias: Nossa História, Nossos Autores (2012) edição comemorativa Editora Scortecci; Mais que Palavras (2016) Editora Scortecci.

O autor revela nas páginas do livro o seu entusiasmo pelo mundo das letras e com elas criar os mais belos poemas lindamente pincelados harmonicamente com as cores da esperança, da beleza, do amor e da inspiração. Através das linhas e entrelinhas procura informar aos leitores os mistérios das constelações, dimensões, tempo, espaço, mundo infinito, relatividade, civilizações e razões da exploração do nosso universo.
Aqui pensando, no tempo e no espaço das poesias deste universo infinito, falamos de Alexandria, da Atlântida, da Amazônia e do Pantanal. Fizemos o alinhamento dos sonetos onde falamos de mim, do universo e do mar. Percorremos a escrita, a criação, a descoberta do aprender, o infinito verão e a ideia diferente. Entramos na dimensão do prazer, onde historiando, relativando e navegando pelos sete mares eu vi você, fazendo tempo em Órion, universalmente no entardecer e no escurecer. Estamos no universo, onde vemos a passagem da rota, além do infinito nas linhas e entrelinhas.

Olá Jorge. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Neste livro de poesias com poemas livres rimados e sonetos, procuro abordar principalmente assuntos do universo, envolvendo temas sobre civilizações e florestas, tais como: Atlântida, Alexandria, Pantanal e Amazônia.
Destina-se ao um público que se interessa por ciências, astronomia, universo educação e história.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
O primeiro livro foi SONHOS DE UM POETA (2009), o segundo RACIONALIZANDO (2011), o terceiro UNI VERSOS (2015) este LINHAS E ENTRELINHAS (2017).
Tenho mais 2 projetos de livros: Um sobre Civilização e o outro sobre Meus Amigos. Tenho muitos poemas de parceria anotados em cadernos. A inspiração não acaba!

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
A maioria dos escritores e escritoras hoje no Brasil escreve porque gosta e deseja divulgar o que pensa e mostrar a todos o seu trabalho, a sua inspiração, a ideia para ser lida e comentada. A leitura é importante, mesmo que sejam poucas pessoas a lerem.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Eu comecei a escrever poemas quando estava na Pastoral de Juventude em 1983. Sempre ouvia músicas de MPB (Chico Buarque, Caetano Veloso, Ivan Lins, Milton Nascimento, Djavan...) e sempre participava de festival de músicas aqui na região Sul Fluminense do Estado do Rio de Janeiro. Minhas poesias sempre escritas num caderno. Até que em 2009 enviei uma seleção dos meus escritos para várias editoras e só a Scortecci que me respondeu.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Sim.
Eu sempre estou pesquisando sobre o universo e sobre civilizações antigas. Pesquiso e estudo também a língua portuguesa desde que comecei a escrever.
Recomendo a todos os leitores que continuem lendo sobre a nossa língua portuguesa que é muito rica. Leiam também sobre nosso universo e nossas antigas civilizações. Temos que Aprender sobre o passado, viver nosso presente para melhorarmos nosso futuro.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Entrevista com Fabiano Lobo - Autor de: O ETERNO CORAÇÃO DE LOBO

É essa e mais uma infinidade de pessoas, como se tivesse vivido várias outras vidas. Fabiano Marcondes Sales com a família. Paramesh com o pessoal do Yoga. Apenas Lobo para os amigos e conhecidos. É Profissional de Educação Física e atua com Musculação, Pilates e Yoga na cidade de Lavras, MG. Buscava se encaixar na sociedade e um dia descobriu a arte. Durante a adolescência e início da fase adulta escapou várias vezes da realidade utilizando o desenho, a leitura, a poesia e o Role Playing Game. Tudo isso ajudou a passar por momentos nos quais não se encontrava e não se aceitava. Com a publicação desse e de outros livros previstos (de ficção), busca mostrar para as pessoas que elas podem escapar de problemas c omo ansiedade e depressão, e que podem buscar a cura dentro de si mesmas através da arte e aceitação. Mais tarde descobriu o Yoga e hoje segue uma vida tranquila e equilibrada graças a tudo o que já passou pra chegar até aqui.

As pessoas buscam eternamente pela felicidade em bens materiais ou momentos e sensações, e, com isso, deixam passar e ficam pensando que poderiam ser felizes se estivessem em outra situação. Isso gera ansiedade por um futuro melhor ou depressão pelas escolhas erradas que fizemos no passado. O que não conseguimos entender é que a vida é AGORA, e só agora é o momento em que podemos muda-la e aceitar aquilo que aconteceu. Várias vezes observei as pessoas querendo mudar algo em suas vidas, mas não condizendo seus atos, palavras e pensamentos com aquilo que querem. Esse livro é um sonho que sonhei em conjunto com algumas pessoas e por isso dei o nome de Eterno Coração de Lobo, por causa do espírito de matilha, respeito e companheirismo que esses animais tem, mas acima de tudo, é resultado de algo que sonhei comigo mesmo e meus problemas, não-aceitações, dúvidas (muitas!) e indecisões. Esse livro é resultado de uma vida de reflexões, pensamentos, buscas e sonhos, realizados ou não, mas que serviram para impulsionar-me para continuar trilhando esse difícil caminho que é VIVER a própria vida nos dias atuais.
Emocione-se. Sorria. Reflita. Ou apenas Leia. Mas espero que possa acrescentar algo em sua vida com essas humildes palavras!

Olá Leonardo. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O Eterno Coração de Lobo é um livro de poesias e poemas, escrito entre 2007 e 2017, contendo textos escritos em momentos de inspiração e momentos de tristeza, que me ajudaram a superar vários problemas pessoais pelos quais passei com a chegada da vida adulta e o impacto do mundo sobre meus pensamentos e ilusões. A obra se destina ao público em geral amante ou não de poesia. Qualquer pessoa, alfabetizada ou não, pode usufruir da magia das palavras rimadas e com reflexões acerca da vida, das situações comuns às pessoas e do mundo atual, portanto, esse livro é destinado ao público em geral.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
A ideia de publicar o primeiro livro de poesias veio da quantidade de material acumulado nesses 1 0 anos e a ideia de se fazer um apelo social para uma casa de apoio ao paciente oncológico da minha cidade. Acabo de publicar meu primeiro livro de ficção pelo sistema Kindle do Amazon. O título é Terra 2 - Nos Limites do Universo. O livro é uma história de ficção científica. Outras ideias vêm surgindo ao longo dos anos e aos poucos vou trabalhando nelas, apesar de todas as outras obrigações acadêmicas (faço Mestrado em Ciências da Saúde) e profissionais (sou Profissional de Educação Física, professor de Yoga e Pilates), aos poucos vou colocando no papel obras de ficção científica, fantasia medieval e suspense e mistério, que pretendo ir desenvolvendo ao longo dos anos, participando de eventos e concursos literários para promover meu nome nesse meio. Sim. A ideia é publicar vários outros livros com temáticas diversificadas, visando entrar realmente nesse mundo!

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
É como a vida! Não só a vida de escritor é difícil nesse país. Um lugar onde nada que faz bem é motivado e incentivado, como a própria atividade física e hábitos alimentares saudáveis. O país não incentiva a leitura, pois não é relevante para os governantes. Os próprios leitores têm um pouco de preconceito com autores nacionais e tenho noção disso ao ver e conversar com outros escritores. A vida como é no país não permite momentos de lazer e leitura. Tudo o que é incentivado são festas, bebidas e o consumo alimentar excessivo. A cultura vem ganhando destaque nos locais onde ela é trabalhada, mas sempre num ritmo lento. Acho que o mercado não é algo fácil de ser conquistado e sei que o caminho do escritor deve ser trilhado com cautela e perseverança. A caminhada é longa e, como tudo na vida, é algo que deve ser trabalhado aos poucos e com paciência. Com continuidade e garra, é um campo ainda a ser desbravado, pois existem muitos grupos de leitores e escritores isolados pelo país, que não sabem a força que possuem em incentivar a entrada nesse mundo de fantasia e diversão, além de ser algo extremamente motivante e que nos ajuda a continuar vivendo num mundo onde as esperanças de crescimento e realização de sonhos são cada vez mais escassas. Sempre pensei que, para ter uma mudança em algo, precisamos entrar naquilo e fazer acontecer, e essa é a visão com a qual entro no mundo da literatura no Brasil. Desbravar, inspirar, comemorar cada vitória. Só assim veremos essa grande parcela de brasileiros aumentar cada vez mais.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Sempre participei de grupos on-line de escritores, poetas, artistas em geral. Numa das postagens, acabei assinando a newsletter da editora e acompanhei durante vários anos os trabalhos publicados pela Scortecci. No dia em que resolvi publicar minha obra, verifiquei o que a editora oferecia e ela se encaixou perfeitamente no que eu estava pensando para esse momento da minha vida.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Como comentei anteriormente, a ideia de lançar o livro tem uma proposta social, pois em minha cidade existe uma casa de apoio ao paciente oncológico chamada Lar Esperança e Vida Mateus Loureiro Ticle. Metade da renda arrecadada com as vendas da primeira edição do meu livro será destinada a essa entidade filantrópica, e isso já é um bom motivo para o livro ser lido! Quanto ao conteúdo, nele busco inspirar as pessoas a lerem e escreverem. Durante a minha vida, passei pelos problemas que todos os jovens passam e acabei encontrando na escrita uma espécie de válvula de escape que me ajudou a continuar lutando e buscando meus sonhos. A escrita foi para mim uma forma de se livrar de sentimentos e pensamentos depressivos e enxerguei aqui uma oportunidade de me destacar na sociedade, ao mesmo tempo em que minha história podia inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo. A ideia de publicar esse livro é mostrar que, se eu consegui, outros também podem. Inspire é a palavra que me guia todos os dias. Inspire alguém a sonhar e a realizar seus sonhos. Inspire alguém a continuar vivendo e buscando ser feliz. Inspire alguém a estar presente e a aproveitar a vida como um todo, apesar das dificuldades. Meu livro deve ser lido por causa disso! :D.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

domingo, 31 de dezembro de 2017

Entrevista com Saleti Hartmann - Autora de: A ÁGUA E A CRIANÇA

Nascida em Cândido Godói, Rio Grande do Sul, escreve desde a adolescência, tendo recebido algumas premiações em concursos literários efetuados nacionalmente e internacionalmente. Tem 8 livros publicados, na sua maior parte, poemas e crônicas, abordando valores que buscam o Bem, a Paz e o Amor Universal. Tem 59 anos, solteira. Professora e Pedagoga. Poetisa. Gosta da natureza, música, leitura e procura, no silêncio e nos acontecimentos cotidianos,a inspiração para os seus poemas.


O livro, em forma de poemeto, é um libelo de amor que pretende homenagear duas criaturas muito amadas e necessitadas, neste mundo: a água e a criança. Aborda poeticamente o relacionamento terno da criança com a água, lembrando talvez da infância de muitos dos leitores adultos. É uma forma de redescobrir a importância da água e da criança, que estão sendo contaminados com o excessivo materialismo e poluição. Um libelo de coração para coração, onde a ternura se destaca num mundo vazio de valores.

Olá Saleti. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O livro A ÁGUA E A C RIANÇA surgiu de uma necessidade de expressar minhas lembranças dos bons tempos de infância, quando a água da chuva era minha cúmplice de brincadeiras, de descobertas e de doce encantamento. Creio que a criança de hoje sente muita falta desta sintonia com a natureza, e gostaria que os pequeninos se encontrassem nas expressões desta pequena história em forma de poemeto. Não desejo atingir somente o público infantil, mas todas aquelas pessoas que tiveram uma infância plena de felicidade junto com a mãe natureza, e cuja criança resiste em sobreviver em seus corações.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Já tenho um pequeno caminho andado no mundo das letras. Publicação de 8 livros incluindo poemas, crônicas, artigos e um a história romanceada sobre a participação do meu pai na Segunda Guerra Mundial. Além destes livros, recebi premiações e classificações de alguns poemas em concursos realizados também nacionalmente. Pretendo fazer mais uma edição dos 8 livros escritos, em pequenas tiragens. Me propus a escrever enquanto a vida me permitir, mas sempre com calma, devagar, sem que as publicações virem situações traumatizantes, pela dificuldade que gira em torno da literatura, atualmente. Já plantei árvores, já publiquei alguns livros, mas não consegui o principal, que é ter um filho. Portanto, cada livro é considerado como um filho saído de um parto espiritual e mental bastante lapidado.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Creio que a vida de escritor, no Brasil, é bastante difícil, quase impossível. A prova, é que as pessoas jamais deixaram de escrever, porém os leitores diminuíram bastante. Temos o exemplo de escritores lançando livros cada ano, sem conseguir boas vendas, e sem saber onde colocar as sucessivas edições. Penso que a leitura deve ser iniciada na primeira infância, em casa, junto com os pais, família, depois, a continuação na escola. Vivemos em um país que mostra um quadro crítico de muitas crianças e jovens que ainda não aprenderam a ler e escrever o básico, muito menos ler e interpretar um livro, um romance ou um simples noticiário que a mídia lança no ar.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Conheci a Scortecci Editora através da Internet, quando procurava uma editora para publicar os meus livros, que oferecesse qualidade na entrega dos produtos finais.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Creio que o meu livro A ÁGUA E A CRIANÇA merece ser lido, sim, pelas pessoas que ainda têm sensibilidade dentro de si. Pessoas que curtem a infância, a natureza, a beleza das coisas simples da vida. A mensagem que deixo aos meus leitores, de todas as idades, é que continuem iluminando a sua vida e mente através da leitura. Cada livro traz mensagens diferentes, visões novas da vida e do mundo, e cada escritor deixa um legado muito especial sobre o que foi, o que está acontecendo, e também sobre o futuro da Humanidade. Principalmente, ame e cuide das crianças e da natureza. Faça a sua parte!

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Entrevista com Rosimere Magg - Autora de: UM REI MUITO ESPECIAL

Rosimere Magg
É Licenciada em Letras pela UFRJ e Bacharel em Direito, com pós-graduação em Planejamento e Técnicas de Ensino e em Direito Público e Privado. Fez carreira como Professora do Serviço Público do Estado do RJ, onde lecionou Português/Literaturas. Atuando, também, como Juíza leiga do TJ/RJ e conferencista. Como escritora, já conquistou prêmios em concursos literários de poesias e contos.



Era uma vez um menino chamado Davi. Ele era filho do rei do Reino dos Pássaros e tinha um irmão gêmeo chamado Jônatas. Davi nasceu deficiente, para se locomover dependia do auxílio de uma cadeira de rodas. O que muito incomodava a todos que o viam, já que era um príncipe. E como sempre se acreditou, os príncipes são perfeitos, encantados e encantadores. Mas Davi não era.
Convencido pelos Conselheiros do gabinete real, o rei, embora triste, mas acreditando que era o melhor para o seu filho e para o reino, abrigou Davi na torre do palácio. Local de onde não mais sairia, nem para ir à escola com o seu irmão Jônatas.
A torre era muito, muito alta, tão alta que alcançava o céu dos passarinhos. O que ninguém sabia é que lá ficava o Reino do Faz de Conta. Mas Davi não ficou sozinho, pois ali encontrou um grande amigo, o pardalzinho Simão. No Reino do faz de Conta, juntos, Davi e Simão, viveram uma grande aventura. E Davi se tornou Um Rei Muito Especial.

Olá Rosimere. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O livro conta a história de uma criança que, como tantas outras, nasceu deficiente e que, em razão de sua deficiência, viu-se excluída do convívio de sua família e dos amigos. Ambientada no faz de conta, a obra destina-se ao público infantil.
A ideia de escrevê-lo surgiu quando cursava pós-graduação em Direito. Durante um debate sobre garantias constitucionais pude perceber que as questões envolvendo pessoas com deficiência ainda eram pouco debatidas no meio escolar e acadêmico, permanecendo como uma bandeira de luta exclusiva das pessoas com deficiência e ou de seus familiares.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Desde muito jovem sou viciada em ler e escrever. Aos 22 anos ingressei na faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o que me oportunizou participar de laboratórios de criação literária e aprender um pouco da arte de escrever. Ao longo dos anos, escrevi alguns poemas e contos, os quais foram premiados em concursos literários, o que serviu de incentivo para produzir outros textos. Contudo, tenho consciência de que nem tudo que se escreve é obra literária. Espero que esse livro seja o primeiro de muitos, pois já tenho outros projetos em mente, no entanto, sei que pode terminar apenas como um sonho realizado.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Viver da arte de escrever em um país de poucos leitores e em que a leitura é pouco valorizada não pode ser fácil. Poucos são os escritores brasileiros que podem viver exclusivamente dessa arte, sabendo-se, inclusive, que muitos sobrevivem de uma literatura estritamente comercial, cujas obras são produzidas por encomenda. Assim, viver da arte de escrever não é diferente do que ocorre com os artistas das mais diversas formas de arte, isto é, nem sempre os que alcançam notoriedade são os melhores. Não há uma lógica de que o melhores sempre vencerão, pois é o mercado que sempre dita a regra.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Conheci o trabalho da Scortecci através de um concurso literário que participei. A partir daí passei a receber informações sobre a editora e os projetos por ela desenvolvido.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Acredito que todo escritor deseja ver a sua obra na mão de muitos leitores, e comigo não é diferente. No entanto, tratando-se de uma obra infantil, serão dos pais e dos professores a decisão de levá-la, ou não, aos menores. Assim, como mãe e educadora, deixo aqui o meu convite para que abracem a obra como uma oportunidade de contribuição na formação de uma cidadania consciente, em contraponto ao que tem sido oferecido aos nossos pequenos pelos diferentes meios de comunicação.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►